Os 16 Dias de Activismo Contra a Violência Baseada no Género são uma campanha internacional anual que começa a 25 de Novembro, o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, e vai até 10 de Dezembro, o Dia dos Direitos Humanos. Esta campanha iniciou em 1991 para chamar a atenção e falar sobre a violência baseada no género, e para renovar o nosso compromisso de acabar com a violência contra as mulheres, raparigas e indivíduos LGBTQI+.

O Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres foi designado em 1999 pela Assembleia Geral das Nações Unidas. O Dia dos Direitos Humanos honrou a data em que a Assembleia Geral das Nações Unidas adoptou e proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, a 10 de Dezembro de 1948.

Em Moçambique, a violência baseada no género é o foco de uma campanha patrocinada pelo governo que aborda o problema. A abordagem da violência baseada no género também faz parte das actividades do nosso projecto. Em discussões com os comités de saúde baseados na comunidade, onde o nosso projecto trabalha, envolvemos os líderes locais, tanto mulheres como homens, para trazer o problema para à atenção de todos e encontrar formas de lidar com ele. A recente lei moçambicana que proíbe a violência baseada no género proporcionou um veículo para a educação e prevenção.

Ferramenta de ensino baseada em histórias

Desenvolvemos uma ferramenta de ensino baseada em histórias para iniciar debates, com base em entrevistas com mulheres rurais nas comunidades que são nossas parceiras. Ao longo do nosso trabalho, estamos a descobrir que, embora a violência baseada no género seja frequente e demasiadas vezes aceite, há sinais de que as atitudes e os comportamentos estão a mudar.

Durante os 16 Dias de Activismo deste ano, o projecto irá também organizar mesas redondas a nível distrital sobre o acesso ao aborto seguro. Os eventos irão incorporar debates sobre a luta de Moçambique contra a violência baseada no género e envolverão líderes comunitários com representantes dos sectores da saúde, educação e justiça. Juntos, esperamos galvanizar a resposta contra a violência baseada no género em todas as suas formas.