Os microprojectos comunitários estão a evoluir

Apoiando as comunidades e o empoderamento da mulher

Uma das principais estratégias do Projecto de Saúde Materna Moçambique Canadá consiste em abordar aspectos dos determinantes sociais e económicos da saúde. Os Comités de Saúde em cada uma das nossas 20 comunidades parceiras organizaram microprojectos que empoderam as mulheres, criam melhor saúde e bem-estar, e promovem a auto-suficiência económica na comunidade. Muitos desses microprojectos estão focados em moageiras para processamento de milho em farinha; outros consistem na produção de galinhas e ovos, construção de latrinas melhoradas, etc.

Ao longo dos anos, com treinamento e suporte, temos visto esses projectos a evoluírem. Em Fevereiro deste ano, visitamos uma amostra de microprojectos para ouvir directamente dos membros da comunidade o impacto dos microprojectos na vida das suas comunidades e famílias.

A Maria, membro do microprojecto de moagem de farinha em Savanguane – Morrumbene, partilhou o seguinte connosco: “Este microprojecto impactou-me pessoalmente e como membro da equipa. Consegui ter a farinha necessária para minha família. E como membro da equipa da moageira, ajudou-me economicamente a sair das dificuldades financeiras em que eu estava. Portanto, foi um apoio pessoal e económico.”

Outros membros concordaram que as empresas fornecem a si e suas famílias rendimentos adicionais. Paneta e Sérgio, de Chipongo em Massinga, afirmaram que “os membros da equipa do microprojecto melhoraram as suas vidas. Eles já conseguem comprar pão e sabão, ir ao hospital quando necessário, entre outras coisas de que precisam. Ajudou a sustentar a família.” Essas mudanças marcam uma transição significativa na experiência vivida, de ter muito pouca renda familiar disponível a qualquer momento para ter pequenas quantias reservadas para emergências, como a necessidade de acesso a serviços de saúde. 

Além disso, os membros disseram que a farinha moída e a produção de galinhas e ovos fornecem alimentos para a comunidade. As pessoas não precisam ir tão longe para adquirir alimentos, o que é um benefício especial para os idosos.

A moageira também oferece às mulheres produtoras a facilidade de moer a sua farinha mais perto de casa, poupando tempo, dinheiro e evitando riscos de viagens. As mulheres participantes falaram sobre sentimento cada vez mais acrescido de respeito por si mesmas e pelos outros, à medida que vão assumindo mais responsabilidade. Os participantes salientaram a vantagem de aprender novas habilidades, algumas das quais vieram de membros de outras comunidades.

Esquecemo-nos que éramos fracas

O projecto organizou “intercâmbios” onde os membros de microprojectos mais antigos visitam os novos para partilhar as suas experiências. Uma comunidade em Zavala (sul), por exemplo, tinha um moinho de farinha recém-criado, mas as mulheres não se sentiam à vontade em operar a máquina. Elas diziam: “usar máquinas é normal para as mulheres do norte, mas aqui no sul, as mulheres são fracas”. Mas quando as mulheres de Vilankulo (norte) vieram para a troca de experiências e deram exemplos sobre como usar as máquinas, as mulheres de Zavala passaram a sentir-se confortáveis ​​em usá-las. “Esquecemo-nos que éramos fracas”, disseram elas.

Parte da estrutura comunitária

Os microprojectos beneficiam a comunidade de várias maneiras e são vistos como uma parte valiosa da estrutura comunitária. Por exemplo, alguns microprojectos fornecem ao comité de saúde fundos para apoiar as despesas de saúde da comunidade (despesas de ambulância local, por um lado, e um fundo para aluguer de carro para mulheres que dão à luz, por outro lado).

O líder da aldeia de Chambula, Zavala, chamou a atenção para os benefícios que os microprojectos oferecem aos seus jovens. “Os nossos jovens são a chave para o futuro – o apoio dos jovens é muito importante. Apelamos aos jovens para trabalhar connosco. Sem a juventude, as coisas não avançam. Eles participarão directamente e vão produzir pães para a comunidade. Temos que incentivá-los. Criem um microprojecto para lhes incentivar a participar. Todos trabalharemos em conjunto – comunidade, comités de saúde e jovens”.

Do ponto de vista da comunidade, as microempresas trazem benefícios económicos, de saúde e sociais. Eles são integrados ao plano da comunidade, através do seu comité de saúde, para abordar aspectos sociais determinantes da saúde, incluindo o empoderamento da mulher. Do ponto de vista do projecto, além dos benefícios para a comunidade, os microprojectos impulsionam o projecto, fomentando o interesse e a colaboração onde um programa de saúde comunitária mais convencional não poderia.