Um provar do paladar da comunidade global de saúde materna e neonatal no IMNHC na cidade de Cape Town

Relatório elaborado por Nadege Sandrine Uwamahoro, coordenadora da pesquisa sobre Casa de Espera para Mulheres Grávidas

Não somos apenas parte do momento; somos também parte do movimento. Da esquerda à direita: Horácio, Argentina, Nadege, Ruta, e Tanda.

Este mês, cinco membros do projecto de Saúde Materna Moçambique-Canadá, nomeadamente: Argentina Ezequiel Munguambe, Ruta dos Santos José Massunguine, Nadege Sandrine Uwamahoro, Horácio Mandevo Chissaque e António Tanda, participaram da primeira Conferência Internacional de Saúde Materna e Neonatal (IMNHC) na cidade de Capetown. O lema da conferência de cinco dias era ‘Juntos 2023’.

Ficamos impressionados com o elevado número de pessoas – mais de 1500 pesquisadores, implementadores e líderes da indústria – a participar na conferência. Participar na conferência deu aos membros da equipe um sentimento de pertencer a uma comunidade e movimento global, com o objectivo comum de acabar com a morbidade e mortalidade materna e neonatal. Foi importante ser recordado que outros países estão a enfrentar desafios relacionados à pobreza semelhantes aos de Moçambique. Mesmo nos países para onde muitos moçambicanos viajam para tratamento especializado e de alta qualidade como a Índia e a Nigéria, há comunidades rurais que não têm acesso a serviços de saúde materna de qualidade.

Uma sessão especial sobre Moçambique e o simpósio nacional para Moçambique serviu de oportunidade para os membros da equipe interagirem com os integrantes da delegação nacional oficial moçambicana.  

Sessões de cartazes ao vivo, e estandes e simpósios de delegações nacionais oficiais foram concebidos para facilitar o debate em pequenos grupos, e o salão de exibição foi especialmente útil para networking e ver o que algumas organizações nacionais, regionais e internacionais estão a fazer para melhorar a sobrevivência materna e neonatal, e evitar nados-mortos nos países onde trabalham. Todos nós fomos a sessões que reflectiam com atenção as nossas próprias áreas, mas também tivemos a oportunidade de explorar temas além dessas áreas.

Foi encorajador ver que a abordagem do nosso projecto para integrar o envolvimento da comunidade, o fortalecimento do sistema de saúde e a pesquisa de intervenção está bem alinhada com as evidências actuais e com as recomendações globais. No entanto, também ficou claro que, como comunidade global, precisamos fazer mais, se quisermos alcançar as metas de desenvolvimento sustentável relacionadas à saúde materna e neonatal. Precisamos liderar com eficácia, partilhar estratégias de implementação e promover a colaboração e a inovação. Uma vez que o Projecto de Saúde Materna Moçambique-Canadá tem muito a partilhar com a comunidade global, esperamos apresentar o nosso trabalho na próxima conferência em 2025.

Uma sessão especial sobre Moçambique e o simpósio nacional para Moçambique serviu de oportunidade para os membros da equipe interagirem com os integrantes da delegação nacional oficial moçambicana.